25 November 2013


É isto, simples, grande e infinito, o amor que eu tenho por ti, e que cresce a cada movimento de olhar que trocas comigo. Mudámos de vida, e eu adoro-a!

07 November 2013



Para onde foste? Para onde queres ir? Onde estás....











(precisava que me deixasses, para sempre, assim não seria difícil de conviver entre a dura consciência de que a realidade passada não é mais possível de viver no presente - és tão traiçoeira!)

29 October 2013


Não faço ideia para onde é o caminho certo. Nem sei se vou ser a melhor pessoa contigo todos os dias que ainda estão por chegar. Vou ser chata, insuportável e provavelmente um bocadinho estúpida ao ponto de te fazer perder a paciência e a calma (como tu já sabes!). Mas no fim do dia vou chegar de ar arrependido e vou querer agarrar-te sempre, no abraço mais apertado e quente deste mundo (e de todos os outros que possam existir, tenho a certeza)! De alguma forma, mesmo no meio do meu caos e da minha tempestade, tu conseguiste ver uma luz de esperança em mim. Conseguiste-me ver além de tudo que eu insistia (com a minha persistência de criança teimosa) que já nem sequer morava aqui. O que tu fizeste, aliás, fazes 24 horas por dia por uma alma tão "desorientada" como esta, é mais difícil de explicar do que qualquer outra coisa no mundo. Ganhaste-me, tens-me, duma maneira que mais ninguém alguma vez vai compreender. Porque mais ninguém nos compreende como nós nos compreendemos um ao outro, e isso, é coisa de querer aproveitar para a vida inteira! És o meu melhor, mesmo quando eu me faço por ser o teu pior. (Hoje é mais um dia, um passo dos pequeninos, mas que já não me faz ter medo de desequilibrar para trás!) Meu amor, 

28 October 2013




... and believe it! Follow it! Love, dream, laugh, learn: Be happy!

19 October 2013

A solidão é uma coisa um bocadinho com uma fama desgustante para a maior parte das pessoas, porque têm a sensação que são abandonadas ou rejeitadas, eu não tenho essa sensação. A solidão é um luxo, uma possibilidade de eu solicitar as companhias que pretendo, os livros, os discos, os dvds.

Eu não gosto de expectativas, porque são sempre desapontamentos.

O amor ensina-se? O amor aprende-se, não se ensina não.
Como é que aprendeu o amor? Errando, experimentando, tentando, talvez ignorando também, vendo, lendo. O amor aprende-se de todas as maneiras. 

Amar? Silêncio.
Amar é outra coisa... Sim amar é o conhecimento e a condescendência de aceitar na outra pessoa aquilo que ela aceita em nós.
Mais comum? O amor... O amor? Já li isso já. O amor é estar presente quando é necessário...

Resolveu um problema de interrogação que eu não percebia bem como é que tinha caído na esparrela de evitar, ou seja, de inventar o que não existia, dizendo que era aquilo que gostava, porque a paixão é uma coisa doentia, é um estado para mim não desejável. Porque é que se tenta inventar uma coisa que não existe, e que vai irreversivelmente arrastar-nos para a descoberta de que é um desapontamento.
É sempre um desapontamento? Então, a coisa não existe, somos nós que a inventamos nem a outra pessoa é culpada da nossa invenção, não pode corresponder a ela porque é superlativa à sua própria existência e nós não podemos nunca encontrar. Eu acho que é mesmo um sentido de querer bater com a cabeça contra a parede. É assim uma coisa inconscientemente voluntária de querer abrir a cabeça.

A memória amplifica os amores, sublima-os? Apura o estado, a compreensão própria, e quando é própria é dos outros. Nós só compreendemos os outros através de nós mesmos. É uma ilusão altruísta dizer que ignoramo-nos e gostamos imenso dos outros. Não, nós conhecemos os outros porque relacionamos os outros com aquilo que conhecemos. É uma coisa narcisística? Possivelmente será.
E o desapontamento também se sublima? Sim, mas já não é a mesma coisa. Porque o desapontamento é uma utopia momentânea, o desapontamento é as cinzas dessa utopia, não tem a ver com a elaboração nem com a maturidade em relação ao sítio onde se esteve. É um estado intermédio, receoso para quem é consciente e não é masoquista. Nunca é repetível, por isso os enganos são tão frequentes.

05 October 2013

He.


When you're expecting for prince charming, you don't know how old, how tall, how smart or how cute he will be. You have no idea where to look for him...
One day, you'll have it in front of you. You simply know him better than anyone else (he simply knows you better than anyone). You'll take a little time 'till the moment, 'till you know you love him, but you won't screw up everything (I promise), because he's perfect and he will make you feel like all the disney's princesses, and sooner or later you'll figure it out!
I'm telling you this because I learnt it ♡ I'm living the moment*

24 September 2013


... que não (pode)quer ser preenchido!

13 August 2013






















Às vezes a coisa que mais queremos não acontece. E às vezes a coisa que menos esperamos, normalmente acontece. Não sei... Conhecemos milhares de pessoas, e nenhuma delas te toca realmente. E depois conhecemos uma pessoa e a tua vida muda. Para sempre. (Love & other drugs)

19 July 2013

"Viver sem expectativas". Costuma ser um conselho sensato, e no mínimo pouco viável, para quem chega ao ponto que vive de esperança em esperança pouco iluminadas. "Não esperes nada de ninguém, assim tudo que vier vai ser lucro".
Todos nós concordamos de bom senso na veracidade destas palavras, a realidade é que nunca achamos que vamos conseguir alcançá-las, é um "triste" facto, mas vamos tentando agarrá-las, ainda que por meros (escassos) segundos. E por momentos até acenamos com a cabeça, compreendemos que tudo poderia ser melhor assim e vamos criando a ilusão inocente que um dia lá chegaremos e vamo-nos sentir melhores connosco próprios.
Mas deixem de viver ideias pré-concebidas. Deixem de tentar alcançar a superioridade emocional que vos trará conforto e alegria para o futuro inteiro. A realidade, dura, fria e crua, é que um dia, sem saber explicar bem porquê, ao fim de tantas mágoas e dores insuportáveis, damos por nós agarrados a algo ou a alguém que não nos suscita mais que o prazer instantâneo do momento. Vivemos tão agarrados à dita sensação que nos faz "a pessoa mais feliz do mundo" durante aqueles poucos instantes, que nos esquecemos de como vão ser as horas e os dias seguintes. E de tanto massacrarmos o coração, a alma e o próprio corpo vezes e vezes sem conta, chegamos ao dia que não esperamos mais do que os efémeros minutos que nos proporcionam as sensações mais prazerosas que podemos lembrar. Já não contamos com mais nada, surpreendemo-nos por todo o mínimo contacto que pode surgir nos dias posteriores e o coração já não se aperta tanto por esperarmos o silêncio da outra parte. E isto, é uma vida e uma realidade estúpida!
Alcançámos, chegámos ao ponto tão desejado, de que tudo que vem é um prémio que nos faz bem. E querem saber? Desilusão, profunda. Sinto-me a viver menos de metade do que mereço, faz-me falta tudo que me proporciona emoção. E o pior é que não sei como sair daqui, porque já não sei esperar por nada, já pouco ou nada ambiciono, e o meu coração, todo ele, funciona mais como um relógio suíço do que o meu próprio raciocínio. É uma escuridão. Não há amor, não há dor, há um vazio...
Só tenho memórias de como é gostar a sério, e isto é doentio. Um veneno que me consome pouco a pouco, como uma ampulheta a empurrar grão a grão para baixo em lentos movimentos.
Um dia ficarei bem, eu sei. Mas hoje ainda não é o dia. Vivam, vivam sem medos, sintam tudo, chorem e riam, porque depois que se passa a última linha das sensações, o vazio que resta é demasiado penoso e assustador para se esboçar o mínimo sussurro (não se deixem morrer!).
(Hoje, isto é tudo de mim.)

09 July 2013



E aos poucos ele começa a entrar na tua vida e vira-te o mundo confortável e sossegado de pernas para o ar. Ele é novidade (em todos os aspectos), e vicia-te em novos vícios. Tu não sabes ainda o que é que ele é na tua vida, não sabes o que hás-de pensar, achar ou sentir por ele. Porque ele é tudo com que tu não contavas e não esperavas que aparecesse. Mas tu ris, e ris muito com ele, perdes até a noção da linha ténue que te separa da loucura. Ele faz-te viver mais, mas não vivas demais. Ri, sorri mais um pouco*

17 June 2013

Esperar. É um processo que só cada um de nós pode decidir se segue ou não. Esperança. É algo superior, algo que cada um só consegue alimentar com a força de uma palavra, de uma atitude, dita e tida pela outra pessoa. Vão haver dias mais fáceis, outros mais difíceis, é o de mais natural na vida. E em todos vão existir dúvidas se estamos sozinhos no caminho ou se está alguém a vir, com a mesma vontade que nós, ao nosso encontro. Não nos deixemos levar pelo desencanto, acreditemos na chama que ainda brilha, e vamos torcer para que tudo acabe bem. (até já*)

11 June 2013

Errar faz tão parte da natureza humana como qualquer outro detalhe da nossa personalidade. Aprender com os erros cometidos é um dom que cada um vai aperfeiçoando ao longo da vida, e umas vezes corre melhor outras pior.
É um facto, um dado adquirido, cada um vai errar tantas vezes na vida como a natureza assim o desejar. Umas vezes, vamos errar variadas e muitas vezes com as mesmas pessoas, as quais pela sua natureza e pela sua posição na nossa vida, nos vão dando oportunidades e esperança de que um dia tudo corra melhor. No entanto, outras vezes, só vamos ter uma única jogada disponível, e, ou arriscas tudo e vais ter a sorte dos planetas e das estrelas todas do universo estarem a torcer por ti para não falhares, ou vais acabar por ser deixado de fora do jogo (por não tentares ou por tentares sem sucesso, uma e única tentativa).
E é com estas pessoas, que estão à espera da tua primeira falha, que tu insistes que não deves largar, insistes que deves lutar para manter tudo composto e não acabares na berma. Isto é um erro, é um erro que a maioria de nós, seres demasiado humanos, ainda não conseguimos compreender a moral. Todas as histórias têm uma moral, uma lição para te mostrar o valor que tu, ou certas e determinadas coisas na vida, têm.
Mas não desistas, não deixes de acreditar que um dia vais melhorar, porque por muito impotente e irracional que te sintas ao veres as coisas preto no branco e ainda assim não conseguires agir em conformidade, um dia isso acontece. E é por cada pessoa, por cada erro destes, que passa na nossa vida que vamos crescendo um pouco mais, vivendo mais e conhecendo-nos melhor. E esse sim, deve ser o objectivo final (primordial), saber quem somos, para não duvidarmos de nós cada vez que estas pessoas insistem em se cruzar no nosso caminho.

06 June 2013



Estou cansada. Cansada duma existência insana que não me reverte nada de novo. Sinto falta de um pouco de adrenalina nesta vida. Algo que me roube o sossego melancólico e não me dê tempo nem espaço para pensar muito. Estou aborrecida. E isto não é coisa de quem "muda de capítulo". Resta-me a esperança de dias de sol brilhantes e um futuro mais colorido. Espero!

25 May 2013


Começos. Recomeços. Adoro começos, adoro pensar em coisas novas que podem dar a resposta para todo um passado que se revelou incompleto. Oportunidades, é essa a essência destes meus sonhos. Adoro acreditar que toda a minha vida ainda tem uma chance para se resolver e me oferecer um "feliz para sempre" que mais ninguém vai compreender mas sentir, e partilhar desse mesmo sentimento.
Se calhar sou inocente, se calhar gosto de acreditar em chances irrealistas, que na teoria têm tudo para me oferecer mas não se revelam nada práticas na prática!
Começos... É só nisso que penso e quero agarrar a cada novo momento da vida. Um defeito (?) notavelmente desconfortável no que conta a "tratar da minha vida", não sei viver na calma. Não sei esperar por um momento que se revele certo, ou ideal, ou perfeito (como cada um queira chamar). Tenho uma ânsia enorme por viver tudo, tudo ao mesmo tempo, sem perder tempo - influências pessoanas talvez? E é um erro que repito, vezes e vezes e vezes sem conta. E este tempo parece tornar-se infinito, uma espera que parece que se vai tornando demasiado (demasiado mesmo!!) longa...
Desculpa-me se te roubo a calma dos teus dias, te acelero todo o relógio, e todas as minhas horas parecem certas - mesmo as que deviam existir com espaço para ser as erradas. Não é forçado, isso não, vivo tudo na plenitude da verdadeira essência do que isto significa para mim. E acredita, sentimento não me falta. Ainda acredito que a vida nos vai dar uma oportunidade, à séria, e como muitos dizem "não há duas sem três" ou "à terceira é de vez". Eu sonho com isso, e vejo-nos como o exemplo clássico de "que tudo que é teu, a ti volta, deixa voar"... E voei, voámos, ora desencontrados, ora cruzando-nos, e eu só quero agarrar isso, agarrar que nada do que sinto contigo por perto se esfume num novo desvario. Não há, nunca vai haver, mais ninguém como tu. E eu espero, esperarei sempre, porque se há coisas que acredito são em começos. E o(s) nosso(s) nunca vai(vão) ser demasiado(s) para mim.

02 March 2013


Com os dias a aquecer e a brindarem-me com um lindo sol, a minha mente só vagueia próxima do Verão. Todos os dias espero que o tempo esteja um pouco mais quente, preciso de me libertar destas roupas quentes e aborrecidas para me render aos belos dos calções, saias e camisolas multicolores e bem mais atractivas!
Além de que para quem começou o segundo semestre uma semana depois de se auto-declarar de férias, preciso urgentemente de uns tempos só para mim. Para relaxar e descansar, para recuperar forças para enfrentar os meses que se avizinham cada vez mais trabalhosos e difíceis.
A Primavera está a chegar, e em embrulho especial chega primeiro o meu aniversário! Todos os anos quero algo diferente, poder partilhar este dia com os amigos, mas só os primeiros planos aborrecem-me. Adorava saber planear festas sem entrar em stress antes de começar (sou um desastre de paciência...).
Hoje vou-me ficar pelo estudo (o primeiro desta caminhada) e pelo planeamento do jantar de logo à noite, que honestamente, já são planos a mais para um dia como o de hoje.


Bom fim-de-semana, o primeiro de Março :)

21 February 2013


O meu tempo tem sido tão reduzido, que acabo por me separar do mundo online. Não que seja uma coisa propriamente má, mas é certo que quando criamos hábitos (e grandes hábitos) fica a fazer falta, por pouco tempo que seja.
Voltei à faculdade, e o meu dia é passado entre horas de sono e aulas, e tentativas (ainda que um pouco falhadas com este temporal) de fazer o meu dia valer em coisas úteis.
Só quis deixar uma presença um pouco positiva e feliz *

24 January 2013


O dia de hoje já conseguiu contribuir, e muito positivamente, para me alegrar a semana e o espírito. Há dias que desde que acordava até adormecer só conseguia distinguir o barulho da chuva lá fora, e assim, finalmente, o sol ergueu-se do meio da tempestade e iluminou amenamente toda a minha tarde! O dia escureceu tardiamente, e isso fez-me relembrar os meus belos dias de Primavera (que devo confessar, nesta altura do ano é sempre a estação que desejo com mais entusiasmo).
Para acrescentar um pouquinho, estou orgulhosa com os resultados da faculdade, quase quase me sinto de férias. Faltam duas etapas finais, mas com muita preguiça e diversão no meio, tudo vai passar rápido e correr bem (espero!!).
E que venham mais dias de sol, pelo menos para me animarem a sair da cama antes das 12 badaladas.

17 January 2013



Boas notícias! É a ordem de hoje, que começou há tão pouco, mas já me deu ânimo para o dia inteiro.
É verdade que quando vemos os nossos melhores amigos a seguir os seus sonhos isso nos faz mais feliz que qualquer coisa, mas também é verdade que quando esses sonhos causam uma grande distância (mesmo que só física), a saudade começa a apertar rapidamente, e só desejamos que tudo pudesse ser um pouco diferente.
Foram 3 meses dessa ausência, e se realmente houve muitos bons motivos de alegria e festejo, também houve horas complicadas de preocupação, de sentir muito a falta. De iniciar uma despedida que nunca é coisa fácil para quem gosta!
Mas agora só fico a contar os dias até ao próximo mês, para tudo voltar ao que era, mas de uma maneira muito maior e melhor (não tenho dúvidas!). À espera da verdadeira hora de celebração, de tudo que já lá foi, de tudo que está a ser, e de tudo que está para vir.
Se há pessoas realmente brilhantes, ela é a minha pessoa, sem dúvida alguma! Espero, ansiosamente, pelo abraço, e pela verdadeira presença - minha, sempre, K!


Always yours, V!

08 January 2013


Nada me delicia mais do que fazer contas e pensar, que daqui a nada menos que 13 dias, posso estar preparada para três semanas de pura serenidade: só eu e o meu alegre e contente sossego. A verdade é que este semestre sinto que dei o "litro" como nunca tinha dado antes, mesmo sabendo que ainda tudo está dependente desta bela e fantástica época de frequências (recheadinha de coisas boas - quarta-feira esperam-me nada mais, nada menos, duas seguidas!). E, por muito que custe admitir isto, a realidade é que me tenho rendido (e dado muito muito bem) à preguiça e ao "não fazer nada".
O começo do ano ainda não é um facto adquirido para mim, honestamente, nunca sei bem a quantas ando nestas alturas.
O que eu gostava, a sério, era de umas belas férias. Uma longa viagem em que tudo que me fosse pedido era um sorriso, boa disposição e muita animação para longas noites de divertimento.
Continuemos a sonhar, que isso para já ainda é de graça! Até lá, vou dando o meu melhor, nem que seja por uma vez por semana que eu consigo esquecer todas as preocupações, e sentir que o maior desafio da vida é chegar ao fim da noite com a maquilhagem arranjada e com os pés bem assentes no chão.

V, xo.

04 January 2013

Normalmente é a época da retrospectiva, de pensar em todos os bons momentos do ano e de classificá-los, de gravá-los e desejar com muita força que sejam tão bons ou melhores neste novo ano. Só tenho a dizer que este ano foi um daqueles, pouco, ou nada mesmo, mudaria. Foi um ano de muitas alegrias, muitas mesmo. Muitas saídas com amigos, muito muito (mesmo muito!!) amor, óptimos momentos com a família. E se estas não são as melhores coisas da vida, quais são mesmo?


Falta agora continuar o "bom trabalho", e sonhar e desejar muito, para que este 2013 se mostre tão fantástico como muitas das coisas que estão gravadas comigo agora. Bom Ano com um grande sorriso na cara!


V, xo.