31 December 2010


Façam com que as coisas mais belas da vossa vida sejam ACTOS e não apenas palavras; sejam factos e não apenas desejos.
Boas entradas 2011 *

26 December 2010

Acho que se tentasse contar aqui o meu Natal felicíssimo não conseguia. Foi recheado de prendas do costume: roupas, livros, perfumes, chocolates, entre outras. Mas se eu posso dizer que por um lado foi um Natal que custou mais, que pareceu mais vazio do que os outros, por outro posso dizer que me pareceu super completo. O verdadeiro significado de família, de união. Para os que passei a noite, e para os que ouvi por telefone - mesmo o que está a tantos quilómetros de distância.

Este Natal foi diferente, este ano vai ser diferente. Desde que criei este cantinho, um suposto novo lugar para uma nova etapa que iria ser óptima, nada foi como esperado. Em quase todos os aspectos a minha vida sofreu altos e baixos com que não contava, mas felizmente posso dizer que ainda bem que aqui cheguei. Este lugar foi um novo começo de vida, sem dúvida, mudou-me na maneira de pensar, de ver as coisas à minha volta, de encarar que nem tudo que planeamos ocorre, e que para conseguirmos o que queremos devemos desejá-lo com toda a força e não deixar que nada nos trave, em nenhum momento.
Hoje posso dizer que o facto de a minha vida ter sofrido todas estas coisas inesperadas, foi o melhor que me aconteceu! O que havia a chorar foi chorado, e o que havia a aprender, bem... tem vindo a ser aprendido.
Encontrei as melhores partes da minha vida, ou aliás, encontrei uma delas, e tive a confirmação certa das restantes. Nunca vou esquecer como consegui ser feliz no fim de toda a mediocridade, e como vocês fizeram que tudo isto fosse possível.
Sinto-me uma mulher muito mais forte, e sozinha, nunca o teria sido com toda esta garra, com tanta intensidade.Este ano, há umas semanas, hoje, posso-vos dizer que sou mesmo mesmo feliz. E que sinto que tenho toda a vida pela frente.
Espero que o Natal tenha sido óptimo!! *

17 December 2010


Já se ouviu dizer, "ano novo, vida nova", mas este ano, mesmo ainda antes de acabar, acho que me consegui superar a mim mesma e a todas essas superstições que existem.
Depois de uma óptima fase de renovação, de conquista pessoal a todos os níveis emocionais, eu consegui sentir-me ainda melhor, mais feliz e mais completa. Penso que a vida nos surpreende quando menos esperamos, aliás, posso dizê-lo com certeza! Mas nem sempre são más coisas, e quando são as boas, só queremos vivê-las com toda a intensidade e fazer por acreditar que não vai acabar mais.
Nem com todas as palavras do mundo eu conseguia descrever como estou agora, e como é bom viver momentos que já não se esperavam. É bom ser surpreendida todos os dias, e poder acordar e adormecer com um sorriso nos lábios.
É preciso estarmos bem com nós mesmos, para encontrar algo que nos complete ainda mais. Só depois de alcançarmos a plenitude individualmente é que estamos prontos para abraçar uma relação que nos torne melhores ainda. É preciso é não esquecer que o facto de sermos sempre nós mesmos, é que faz de nós a pessoa que somos e gostamos de ser.

p.s. E hoje, oficialmente, as férias são muito bem-vindas. E o Natal já está em contagem decrescente!!

06 December 2010


O frio já começou a apertar, mas este ar natalício que aos poucos nos entra pelas janelas está-me a deixar radiosa. E apesar de toda esta constipação que não me deixa em paz, eu estou sinceramente contente por Dezembro ter chegado. E vou contar dia por dia para o Natal. Nesta altura do ano sinto-me pior que uma criança pequena com vontade de entrar nas lojas todas à procura dos presentes ideais. Estou ansiosa, mal posso esperar! E quando o espírito nem sempre pode estar em cima, pelo menos nesta época não me hei-de desanimar.
E as férias daqui a nada chegam, por isso, aí, nessa altura mesmo, eu hei-de estar melhor que nunca.
Um bom dia!!

02 December 2010


Penso que o importante numa separação não é o processo de reparar nos erros do outro, ou nos nossos, tentar justificar certas atitudes, ou o próprio fim. Acho que o importante mesmo, e que fica marcado não apenas durante o processo de recuperação, mas para a vida, é o facto de nos conhecermos melhor emocionalmente. Fortalecemos as nossas defesas, e aprendemos a gerir futuras relações, quer seja com homens ou com mulheres, amigável ou amorosamente. É assim que construímos a nossa futura identidade, quem vamos ser, e como vamos ser, daqui a muitos anos. O que queremos, ou podemos, contar dos outros. E acabamos por perceber que nem sempre o quadro bonito que pintamos durante o nosso crescimento pode ser concretizado sem algumas tempestades. Já foi assim que fiquei depois de muitos buracos, e certos caminhos falsos que encontrei.
Hoje, agora, a minha forma de ver a minha própria vida já nem é a mesma. Já me consigo distanciar um pouco dos planos a que me proponho, e se devo ou não agir de acordo com eles. Nem todos os sonhos podem ser concretizados, e nem todos os sonhos são meus afinal! Aprendi isto. Se calhar acreditei muito tempo em projecções que não eram minhas, ou pelo menos, não eram essenciais para mim. Adaptaram-se a mim como eu me costumo adaptar à vida. E posso dizer que lamento, afinal não é assim que sou eu mesma. Ou que me posso fazer feliz.
Entrei num novo estado que me sinto equilibrada, melhor. Mais interessada em mim, e no que posso realmente considerar ser meu. E posso afirmar, que visto assim, deste modo, a vida nem sempre parece impossível de ser vivida na primeira pessoa. E há dias, se calhar vários momentos ao longo do dia, que nos podemos dar ao luxo e ao prazer de incluir mais um "eu", ou mais vários "eu" no nosso espaço, e ainda assim, continuarmos a ser nós a decisão número um do nosso destino.

p.s.: obrigada por todas as palavras, por todos os amigos que nunca me deixaram sofrer um momento sozinha!